Setor primário é prioridade em política de financiamentos do Estado, com orçamento de R$ 40 milhões em 2018

O setor primário será foco dos financiamentos da Agência de Fomento do Estado do Amazonas S.A. (AFEAM) em 2018, em ações destinadas ao fortalecimento de cadeias produtivas, a exemplo do projeto que revitalizará a indústria da castanha, em parceria com o Sistema Sepror (Secretaria de Produção Rural). Somente para o crédito rural, a Agência de Fomento está destinando orçamento de R$ 40 milhões para o próximo ano.

O projeto de Governo e as estratégias para o melhor alcance desse objetivo estão sendo debatidos nesta quinta-feira, dia 9, e amanhã, sexta-feira, no 17º Encontro Técnico dos Agentes do FMPES, que acontece na sede da AFEAM. Participam do evento dirigentes dos órgãos ligados à Secretaria de Produção Rural, como o Idam, a Agência de Desenvolvimento Sustentável – ADS e a da própria Sepror, a Federação de Agricultura, e também dos demais setores econômicos, parceiros da Agência, como o Sebrae.

Como destaca o Diretor de Crédito da AFEAM, Jacques Douglas, o objetivo do encontro anual é definir estratégias para aperfeiçoar a oferta e aplicação do financiamento, “com destaque para o desenvolvimento das cadeias produtivas. Vamos ampliar nosso investimento no crédito rural, elevando assim os esforços do Governo em desenvolver o interior do Estado”.

O secretário-adjunto da Sepror, Fernando Vieira, ressalta a importância do encontro, do esforço para melhorar a qualidade de vida no interior do Amazonas, em um trabalho que classificou de incansável em benefício do setor primário. “O crédito é importante, mas precisa ser bem orientado, com todo o apoio necessário ao produtor. Quando tivermos eficiência na produção agrícola, também seremos excelência no setor primário, como já somos na indústria de televisores”, exemplificou Vieira.

Os dirigentes governamentais e representantes do setor produtivo estão divididos em três grupos de debate: cadeias produtivas, crédito rural e o grupo que discute entraves e estratégias para a melhor aplicação do microcrédito e de crédito de varejo. Ao final dos debates, a AFEAM terá diretrizes, formuladas por todos os parceiros, que nortearão as ações da Instituição em 2018.